top of page

Estilos Educativos: que efeitos tiveram em mim?



Olhando para a nossa infância, todos nós recordamos o estilo educativo dos nossos pais/adultos modelo, determinadas experiências ou respostas às nossas atitudes, sentimentos e comportamentos. Que efeitos tiveram em mim?


Há diferentes formas de educar e o clima emocional em que decorrem as relações entre pais e filhos pode ser mais ou menos tenso de acordo com as práticas educativas.


Talvez não chamássemos “estilo autoritário”, mas hoje sabemos que muitas vezes sentíamos a urgência da necessidade de obediência, respeito, e muitas vezes eram usadas medidas mais punitivas ou com menos tolerância para o controlo do comportamento. Algumas destas práticas podem ter provocado em nós ansiedade, medo ou afastamento.


Talvez não chamássemos “estilo permissivo”, quando existiam poucas regras, pouca exigência, quando os adultos deixavam as decisões para as crianças decidirem. Podemos, nesse momento, ter experienciado mais insegurança.


Ou terá sido um “estilo negligente”? com pouco envolvimento dos pais na educação, pouca afetividade, pouco cuidado nas necessidades e supervisão das atitudes e comportamento. Aí podemos ter sentido mais fragilidade…


Podemos ter experienciado um “estilo democrático” com regras firmes e consistentes, com mais diálogo, indo de encontro às nossas necessidades, com apoio e com os adultos a guiar a nossa conduta. Com controlo e exigência, mas também diálogo. Isso pode ter provocado mais bem-estar e sentimento de autonomia.


O estilo educativo, o tipo de vinculação estabelecida, os sentimentos envolvidos de pertença, afeto, empatia e a responsividade do adulto para ir de encontro às nossas necessidades, bem como sua própria autorregulação, pode marcar a infância e faz diferença no desenvolvimento salutar da criança que se irá tornar um adulto.

Refletir sobre isso desde a gravidez pode tornar a parentalidade mais consciente e positiva. Importa refletir se nesta tarefa complexa e desafiante da parentalidade, como nos queremos preparar para ser pais e como é que as nossas práticas educativas podem influenciar no desenvolvimento dos filhos/crianças que acompanhamos!



www.sofiasantosrodrigues.com


11 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page