top of page

Não é uma perda do passado, mas sim uma perda do futuro. António Coimbra de Matos. A Depressão.



Na depressão, de acordo com António Coimbra de Matos (2014), há "uma perda de perspetiva existencial, uma amputação da realização pessoal"; “a perda objetal e a perda narcísica que precipitam a depressão equivalem à perda de uma relação que ficou aquém do desejo e do fantasma”.


«O que indivíduo perdeu não foi uma realidade existente, mas sim uma “realidade “desejada e fantasiada, projetada ou programada. Está triste, não por aquilo que perdeu em concreto, mas por aquilo que não realizou. Não é uma perda do passado, mas sim uma perda do futuro. E é esta a grande diferença entre o luto e a melancolia (utilizando a palavra «melancolia» no sentido lato). E, enquanto o doente não compreender isto, não compreendeu nada do que se passa com ele. Descobrir os projetos suspensos, as tarefas não realizadas (mas que o indivíduo a si próprio se propôs) é a chave do tratamento analítico da depressão. O que o põe triste é o ter desistido. (…)» (A Depressão, 2014).


- Que realidade desejo construir?

- O que preciso compreender?

- O que preciso deixar ir?

- O que posso fazer para a minha realização pessoal?


Se precisar de ajuda, contacte-nos.

www.sofiasantosrodrigues.com




Matos, A.C. (2014). A Depressão. Lisboa: Climepsi Editores.


7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page